Make your own free website on Tripod.com



APÓCRIFOS & RELIGIÃO    Free Counter
Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem. ( I te. 5: 19,20,21 - BIBLIA)





Variações erradas do Nome do Altíssimo e Seus muitos títulos

Vejamos, então, algumas variações erradas e até mesmo blásfemas atribuídas ao Nome do Altíssimo, também encontradas em várias versões modernas das Sagradas Escrituras.

Y A H O W A H - Y E H O W A H

J H V H - J E H O V A H - J E O V Á

Y A H W E H - I A H W E H - I A V É - J A V É

O nome "YAHWEH"

Chamar o Criador de "Yahweh", não estará em harmonia com outras evidências escriturais, especialmente considerando que o povo judeu é chamado "YAOHUdim" - sendo o povo que se chama pelo Seu Noome. Significa que este grupo de pessoas escolhidas, como um todo, levam o magnífico Nome do Criador, conforme revelado nas Sagradas Escrituras.

A Enciclopédia Internacional do Novo Testamento, pag 638 comenta sobre a origem e o significado do nome "Yahweh" e diz: "A origem e o significado do nome divino "Javé" tem sido assunto de discussão considerável. Alguns estudiosos o derivam de uma forma primitiva, Já, que consideram como sendo uma interjeição associada com o culto à lua (cf. G.R. Driver, ZAW, 46, 1929, 24).

Se o nome do Criador fosse "Yahweh", como muitos erroneamente presumem que seja, então o povo que se chama pelo Seu Nome deveria ser referido como "Yahwehdim" - o que é falso e cacófono, além de serr contrário a fatos atualmente observados. No nome racial deste povo escolhido ("YAOHUdim", isto é, YAOHU + dim) na sua própria língua nativa, o Nome verdadeiro do Criador é facilmente discernível quando tradições religiosas e conceitos errados são retirados da mente de alguém de modo a acuradamente enxergar o verdadeiro Nome do Criador, e, portanto, saber quem é a Pessoa por trás daquele Nome genuíno.

O título "EL"

Não é correto usar o título EL para referir-se ao Altíssimo. EL é uma palavra que toda língua semítica tem em comum. Uma simples pesquisa na verdadeira pessoa de "EL", na mitologia babilônico-caldéia irá revelar que "EL" era um ídolo pagão muito popular na história antiga destes povos. Ele era um ídolo associado com incesto, luxúria, imoralidade, deslealdade e traição. Usar este título ativa espíritos sedutores com as características imorais de "EL". A palavra pura do hebraico arcaico que se refere ao Criador é "UL", nunca "EL".

Sobre este assunto Ezequias Soares da Silva em seu livro "TESTEMUNHAS DE JEOVÁ", página 96, declara:

El é o nome mais usado na Bíblia para mencionar os ídolos pagãos, e é usado também com frequência em Ugarítico. El é aplicado aos ídolos em virtude da aproximação entre as línguas semíticas e o hebraico, e principalmente, às nações, pois os patriarcas e seus descendentes falavam "a língua de Canaã" (YaoshuaYAOHU 19:18) (Is)

O título "ELOHIM"

A palavra "ELOHIM" é só o plural da palavra "EL", para a qual valem as mesmas observações feitas anteriormente.

O título correto e exato é "ULHIM", em hebraico arcaico. É pronunciado assim: "UL - RIM", tendo o "H" som de duplo "R", e a tônica na segunda sílaba.

Esta tradução errada para "Elohim" foi um dos eventos danosos mencionados em YarmiYAOHU 8:8. Você pode verificar isso facilmente em qualquer enciclopédia, concordância bíblica, dicionário Hebraico-Caldeu, e outros materiais de referência confiáveis.

O título "ADONAI"

A palavra-raiz desta palavra é idolátrica. "Adonai" tem sua origem na palavra-raiz "Adonis", o antigo ídolo grego-fenício da fertilidade masculina.

O título "EL SHADDAI"

Não deve ser usada a expressão "EL SHADDAI" para se referir ao Altíssimo Criador YAOHU UL.

É incorreto o seu uso. Quanto ao título "EL" já tivemos oportunidade de explanar anteriormente. A palavra "shaddai" se refere a espíritos sedutores do reino maligno. Usando este título se está invocando espíritos sedutores com as características imorais de "EL", seduzindo muitas pessoas para uma escravidão de idolatria pagã. Mesmo feiticeiras sabem disso e usam este título específico em seus encantamentos, sessões de "cura por fé" e adoração satânica.

Sempre verifique! Você irá evitar as sutis armadilhas e enganos ocultos do inimigo. Não se deixe levar pela multidão. Largo é o caminho que conduz à destruição e muitos seguem por ele. Mesmo os pássaros examinam primeiro para ver se se trata de comida antes de bicar e engolir, e certamente você é mais sábio do que os pássaros. Seja verdadeiramente sábio, verificando antes de aceitar "God", "Deus", "Je-Zeus", "Krayzt", "Senhor ou SENHOR", "Ha-Shem", e assim por diante.

O título correto do verdadeiro criador, YAOHU (YHWH), baseado no hebraico arcaico, é "UL SHUAODDAI", que literalmente significa "O Todo-Poderoso cuja salvação é suficiente", isto é, YAOHU UL, O Eterno.

Lembre-se que há uma linha muito fina entre notas genuínas e notas falsas. Você não encontrará jamais uma nota falsa de 34 dólares. A imitação é muito parecida com o que é autêntico, discernível somente por meio de minuciosa investigação. Muito mais ainda quando se relaciona a seres sobrenaturais, espirituais, invisíveis. Seja muito, muito cuidadoso, porque é a sua vida inteira aqui e a vida do porvir que estão em risco. O que alguém lucra se ganhar o mundo todo e perder a sua própria alma? O que alguém lucra se ele vence todas as discussões, mas sofre perdição eterna e tormento?

O nome "JEOVÁ"

O hebraico não possui vogais; só consoantes; o que equivale, no português, a escrever, por exemplo, a palavra "ESCREVER" da seguinte forma: "SCRVR".

Muitos teólogos dizem que a verdadeira pronúncia do Nome foi esquecida pelos Yaohudim e que ninguém sabe mais como é a verdadeira pronúncia. Isto não é verdade, pois se fosse uma verdade, a Bíblia se tornaria mentirosa quando YAOHU UL deixou registrado em Êxodo 3:15 que o Seu Nome é eterno e que seria chamado e lembrado de geração a geração. A verdade é que poucos sabem com certeza como o Nome do Altíssimo era pronunciado originalmente. Por que? Bem, a língua original usada na escrita da Bíblia foi o hebraico arcaico, e ao escrever na língua hebraica os escritores escreviam apenas as consoantes, pois não há vogais em hebraico. Portanto, quando os escritores escreveram o Nome do Altíssimo eles escreveram apenas as consoantes que O compõem.

Enquanto o Antigo hebraico era uma língua do cotidiano, isso não apresentava nenhum problema. Os Yaoshorulitas conheciam a pronúncia do Nome, e, quando o viam por escrito, supriam as vogais automaticamente (assim como para o leitor em português a abreviatura "ctvs" representaria "centavos". Aconteceram duas coisas que mudaram essa situação. Primeiro, surgiu entre os Yaohudim a idéia supersticiosa de que era errado pronunciar o Nome do Altíssimo em voz alta; assim, ao se depararem com ele na sua leitura das escrituras, eles pronunciavam outra palavra.

Sobre este assunto Ezequias da Silva em seu livro "TESTEMUNHAS DE JEOVÁ", pag. 102, escreve: "Os nomes "Adonay" e "Yahweh" são tão sagrados para os judeus que eles evitam pronunciá-los na rua, no seu cotidiano. O segundo nem sequer nas sinagogas é pronunciado. Para o cotidiano eles usam "ha-shem", que significa "O NOME", para designar a Deus".

OBS: "Embora, Ezequias da Silva, defenda a restauração do uso correto de alguns títulos para referir-se ao Altíssimo, lamentavelmente não faz nenhum esforço em seus Livros para restaurar a Santificação do Nome Sagrado e Imutável de Nosso Criador e até faz erroneamente, o uso de alguns títulos blásfemos e espúrios como "Deus", "Senhor", etc.

A palavra "Shem" vem da palavra-raiz "Shemiramis", como já vimos antes, uma "deusa" babilônica.

Verifique por você mesmo! Você deve saber quem você adora e quem você invoca com seus lábios. O que você diz é o que você tem! Lembre-se que Shemiramis é a mãe-esposa de Tamuz, na mitologia babilônica-assíria, e cultos pagãos primitivos. Em antigas comunidades pagãs, a adoração do sol era muito dominante, em voga, e "shem-esh" era o ídolo que representava o sol. YAOHU UL proíbe estritamente a adoração do sol, da lua e das estrelas em (KozoqiUl 8:16-18) (Ez). Nós devemos adorar o Criador e não meras criaturas ou criação, não importando quão atrativos ou sedutores eles pareçam ser. Nem ninguém deve adorar a própria natureza.

Não foi profetizado nas Sagradas Escrituras que nos últimos dias as pessoas baseariam sua fé em mitos e doutrinas de demônios? Cuidado porque satanás é o "Deus" deste mundo e ele é o enganador da raça humana. Ele tem que enganar para poder ser adorado, porque, de que outra forma poderia ele ardilosamente conseguir pessoas para adorá-lo? Somente pelo engano.

Ademais, com o passar do tempo, a própria antiga língua hebraica deixou de ser usada na conversação diária, de modo que por fim quase se perdeu a pronúncia hebraica original do nome do Altíssimo. Mas o Nome e sua pronúncia sempre estiveram lá na Bíblia. Uma prova disto é o próprio nome do povo YAOHUdim e de seus profetas.

A fim de assegurar que a pronúncia hebraica como um todo não fosse perdida, eruditos judaicos da segunda metade do primeiro milênio de nossa era atual, inventaram um sistema de pontos para representar as vogais ausentes, e os colocavam em volta das consoantes na Bíblia Hebraica. Por conseguinte, eram escritas tanto as vogais como as consoantes, e a pronúncia, como era naquela época, foi preservada.

No caso do Nome do Altíssimo, em vez de colocar em volta dele os corretos sinais de vogal, na maioria dos casos eles colocavam outros sinais de vogal para lembrar ao leitor que ele devia pronunciar "Adonay". Disso se originou a pronúncia "Yehovah", e, finalmente "Jehovah" (Jeová). Para alguns teólogos, jeová tornou-se a pronúncia aceitável do Nome do Altíssimo, em português. Porque, segundo crêem eles, este nome retém do hebraico original os elementos essenciais do Nome do Altíssimo, a saber, as consoantes que chamamos de Tetragrama (YHWH). É impossível concordar com esta posição, pois é sabido de todos que não existe letra "J" em hebraico, logo, o nome "jeová" não retém do hebraico original as consoantes do nome do Altíssimo, além de ser uma palavra criada por concatenação, onde as vogais são provenientes de fonte expúria, a saber, o nome do ídolo "Adonis", por meio da palavra "adonay".

Para os que gostam de ir mais a fundo no entendimento, certamente gostarão de saber por que o massorético SHEVAU-PATAR foi transposto como SHEVAU SIMPLES. É ortograficamente errado em hebraico usar SHEVAU COMPOSTO sob consoante que não seja gutural. Como o ÁLEF é gutural e o YOD não é, então o SHEVAU-PATAR foi transposto como SHEVAU SIMPLES, mudando o som de "A" para "E". Este erro causou não só o aparecimento de nomes errados como "yehovah" e "yehoshua", mas também diversos outros derivados do Nome do Pai, uma vez que as gerações seguintes simplesmente passaram a ler o que estava escrito. Exemplos: yehudah, yehudi, yehushaleim, etc.

Se "jeová" fosse o verdadeiro Nome, então o Messias, que veio em Nome de Seu Pai, como dizem as Sagradas Escrituras, teria de ser chamado "JEHOVASHUA" ou "JEHOSHUA". Porém não há letra "J" na língua hebraica! Este não é o Nome original do Messias! Além disso, se fosse "Jehovah" então os nomes dos profetas nas Sagradas Escrituras deveriam ter sido traduzidos como se segue, pelos seus tradutores, supondo que seus métodos fossem confiáveis.

YaoshuaYAOHU (Isaías) teria sido traduzido como Isajes

ZocharYAOHU (Zacarias) teria sido traduzido como Zacarjes

ZafnaYAOHU (Sofonias) teria sido traduzido como Sofonjes

YAOHUrránam (João) teria sido traduzido como Jeão

Não somente eles são cacófonos (desagradáveis ao ouvido) para o povo Yaohudim escutar, como também estas são palavras impossíveis na língua hebraica, lembrando de novo que não há letra "J" no hebraico, seja moderno ou arcaico.

A palavra "jehová foi concatenada ou inventada transpondo as vogais da palavra "adonai" para dentro do tetragrama YHWH. Nas antigas comunidades de culto fenício-babilônicas, o ídolo "Adonis" era o mais popular entre as massas pagãs e foi do nome deste ídolo que a palavra "adonai" se originou. As vogais da palavra "adonai" foram transpostas para dentro do tetragama (YHWH) e a palavra resultante ficou sendo "yehovah", e daí passou a "jehová". A própria palavra "adonai" não consta das Sagradas Escrituras originais hebraicas (Tanakh), ela foi uma adulteração, uma adição.

O significado real da palavra "Yehovah" é destruição, desolação, perdição. Uma simples pesquisa nos significados e etmologias destas palavras irão claramente revelar isso.

O Antigo Testamento foi escrito em hebraico. Nesta língua, o Nome do Altíssimo é expresso com as quatro consoantes YHWH (yod-rey-vav-rey). Na língua hebraica as vogais a, e, i, o, u, originalmente não se escreviam. Por temor reverencial para com o Altíssimo sublime e inefável, os Yaohudim da época do Messias nem sequer punham nos lábios o nome sagrado de YAOHU UL, mas diziam "Ha-Shem". Os glosadores conhecidos por Massoretas, entre cerca de 750 e 1000 da nossa era atual, se deram ao trabalho de fixar o texto hebraico original tanto no conteúdo quanto na pronúncia. Entre outras coisas, eles intercalaram sinais de vocalização entre as consoantes hebraicas. Assim, no tetragrama YHWH colocaram os sinais vocálicos de "Adonai" ou de "Elohim". De acordo com as regras da sua vocalização, sob o Y (YOD), por não ser palatal, escreveram o sinal correspondente à vogal "e", em vez de "a", de sorte que se lia "Yehovah" ou "Jehovih", e foi assim pronunciado, nos séculos seguintes, por leitores que desconheciam como esta forma surgira no texto massorético.

O apelativo "Jeová" portanto, não é bíblico: Só apareceu entre os séculos XI e XIV, depois do Messias.

A pronúncia correta do Nome YHWH, para o Altíssimo, segundo os hebreus, não é "JEOVÁ". Jeová é uma forma espúria. Sobre este ponto quase todos os eruditos e linguistas estão de acordo. Eis o que dizem os dicionários sobre o termo "JEOVÁ":

Jeová, errôneo; (Knaur)

Jeová, veja-se Jahwé (Grande Brockhaus)

Como você pode-se ver, todos concordam com a má tradução do Nome do Altíssimo para Jeová, e até defendem a posição de não utilizá-lo. Infelizmente apenas rejeitam o uso de uma palavra errada para o uso de uma outra igualmente errada.

Mesmo a tradução Alemã de Elberfeld, citada com tanta frequência pelas "Testemunhas de Jeová", diz no prefácio, p. IV, a respeito dos Nomes do Altíssimo apesar de cometer o mesmo erro que os demais.

"Jeová", conservamos este nome do Deus da aliança de Israel porque o leitor está acostumado com esta forma desde há muitos anos... Os estudiosos mais recentes estão quase todos de acordo em que em vez de Jeová ou Jeovi, deve-se pronunciar "Jahwé".

Os principais dicionários da língua portuguesa, no Brasil, como a Grande Enciclopédia Delta Larousse e o Grande Aurélio, também erroneamente registram Jeová como forma principal e Javé ou Javeh como formas secundárias. Sobre esta última, vale aqui a seguinte observação, muito oportuna, da Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira: "Segundo os mais autorizados hebraistas, Jehovah é má leitura de Jahweh; parece, pois, que no português deverá substituir-se Jeová por Javé (v. 14, p. 199) (N. do T.).

Que possa ficar claro para o leitor, que quando usamos citações de textos de outras obras, não estamos concordando em seu todo com as afirmações ali contidas, mas apenas usando como material de apoio ao assunto em questão.

A própria Sociedade Torre de Vigília, como se vê do livro publicado por ela: Equipado para toda Boa Obra, p. 25 (da edição alemã) teve de reconhecer que o nome "Jeová" não é a forma original. Os confrades de Brooklyn, depois de terem ignorado durante anos e anos o que os dicionários, os biblistas, bem como a versão de Elberfeld nos dizem a respeito do Nome do Altíssimo, se viram, afinal, na situação incômoda de ter de confessar que o nome "Jeová" é errôneo. Infelizmente admitem o erro, mas não estão tão interessados em encontrar a verdade; se estivessem, com certeza achariam, porque, aquele que procura sempre acha.

Como vimos, a pronúncia verdadeira "quase" se perdeu no tempo pois os massoretas, interpretando Levítico 24:16 ao pé da letra ("Aquele que blasfemar o Nome YAOHU será morto"), deixaram de pronunciar o Nome do Altíssimo, YAOHU, introduzindo no tetragrama as vogais de "adonai" (Senhor).

Assim, quando liam o Nome do Altíssimo, eles falavam "adonai". Com o passar do tempo, surgiram outras formas escritas e faladas do Nome do Altíssimo, por isso acabaram supondo que sua pronúncia verdadeira não é mais conhecida atualmente, nem mesmo pelos rabinos. Isto é só uma grande mentira, pois o Nome sempre esteve e está nas Sagradas Escrituras hebraicas, no nome do povo Santo (YAOHUdim) e no nome dos seus profetas assim como: Judá (YAOHUdah), Isaías (YaoshuaYAOHU) e muitos outros. Embora atualmente a forma mais comum do nome seja erroneamente JEOVÁ, a forma correta e literal é YAOHU (lê-se YAOHU com a tônica na primeira sílaba), pois Jeová é uma palavra híbrida, inventada, composta do tetragrama sagrado YHWH intercalado com as vogais de "adonai", (palavra que vem do ídolo pagão fenício-babilônico "Adonis") enquanto que YAOHU é a forma fidedigna original.

O título "SENHOR" - YAOHU UL é o Altíssimo ou é Baal?

"Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se YAOHU UL é Soberano, segui-O, se é BAAL, segui-o". - 1 Reis 18:21.

"Naquele dia, diz YAOHU UL, ela me chamará: Meu Marido; e já não me chamará Meu BAAL (Meu Senhor) - Oshua (Oseias) 2:16.

O profeta YarmiYAOHU fala de profetas que proclamam mentiras, que cuidam em fazer com que o povo se esqueça do Nome do Altíssimo (YarmiYAOHU 23:26,27) (Jr). Façamos, então, uma leitura de alguns versos bíblicos, com ênfase no Antigo Testamento, para uma melhor compreensão deste tema tão importante, que é a restauração da santidade e do esplendor do Nome YAOHU em nossos lábios. O Altíssimo e Soberano de Abrurram (Abraão), de YAOtzkaq (Isaque), de YAOcaf (Jacó), de Merrushúa (Moisés), o nosso Altíssimo Criador YAOHU UL. Faremos a comparação entre o termo "Senhor", usado de forma irresponsável nas traduções, e o verdadeiro Nome do Altíssimo, YAOHU.

Bendito seja o Nome do SENHOR - (YAOHUrránan 1:21)(Jo).
Bendito seja o Nome YAOHU.

O nosso socorro está no Nome do SENHOR, Criador do céu e da terra - (Tehilim 124:8)(Salmos).
O nosso socorro está no Nome YAOHU, Criador do céu e da terra.

Louvem o Nome do SENHOR, porque só o Seu Nome é excelso - (Tehilim 148:13)(Salmos).
Louvem o Nome YAOHU, porque só o Seu Nome é excelso.

O SENHOR, o Deus dos exércitos, o SENHOR é o Seu Nome - (Oshua 12:5)(Oseias).
YAOHU Tzevaul (Comandante dos Exércitos), YAOHU é o Seu Nome.

Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o Teu Nome - (ManYAOHU 6:9)(Mt).
YAOHU ABÚ que habitas nos "shuaolmayao" (alturas celestiais), santificado seja o Teu Nome.

Quando o Filho ensinou a oração modelo, Ele orou ao Pai, dizendo: "Santificado seja o Teu Nome". A que nome Ele se referia? SENHOR? Não, Ele não se referia a um mero título, mas sim ao sagrado e eterno Nome do Pai, YAOHU. Estamos nos últimos dias. O fim deste mundo de pecado se aproxima a passos largos. As areias do tempo não cessam de cair. Brevemente YAOHU UL irá revelar o Seu poderoso braço estendido, pronto para salvar aqueles que aceitaram a Sua maravilhosa graça; o reino da justiça e da verdade. Breve está o tempo em que nosso Altíssimo dirá: Agora tornarei a mudar a sorte de YAOcaf e me compadecerei de toda a casa de Yaoshorul; terei zêlo pelo Meu Santo Nome.

É verdade que muitos não sabem e não se dão conta das palavras que saem de suas bocas. Muitos apenas repetem ano após ano aquilo que ouviram, sem querer saber se o que dizem tem fundamento bíblico na verdade ou se é apenas forma expúria de falar, com fundamentos malignos.

Exemplo disso é este tão usado título "SENHOR" para se referir tanto ao Altíssimo Criador, como a Seu Filho, o Messias. A palavra "SENHOR" nada mais é do que a tradução simples e direta da palavra hebraica "BAAL", o ídolo com o qual o povo de Yaoshorul frequentemente adulterava. A palavra "belzebu", um dos nomes atribuídos ao diabo, é proveniente justamente da conjunção de BAAL + ZEBUB, cuja tradução literal é "o senhor da casa". As escrituras apresentam uma acirrada luta espiritual que foi travada entre UliYAOHU (Elias) e os profetas de "Baal" ("Senhor"). Nem mesmo a estrondosa vitória de UliYAOHU sobre os "baalins" (seguidores de Baal) serviu de base escritural para impedir que os tradutores corrompessem de forma tremenda as escrituras, substituindo o Nome YAOHU em todas as suas ocorrências, pela tradução direta do nome deste ídolo.

Apesar de tão claras evidências sobre este assunto, a palavra que os tradutores e comissões de tradução das escrituras para a língua portuguesa decidiram utilizar em substituição ao poderoso e santo Nome YAOHU, foi justamente o deste ídolo: "BAAL", que traduzido de forma simples e direta significa "SENHOR". Sim, eles substituíram todas as ocorrências do Tetragrama Sagrado nas escrituras hebraicas originais pela palavra "SENHOR", que é o mesmo que "BAAL".

"Vindicarei a santidade do Meu grande Nome, que foi profanado entre as nações... as nações saberão que Eu Sou ULHIM, diz YAOHU UL Soberano, quando eu vindicar a Minha santidade perante eles. Farei conhecido o Meu Nome no meio do Meu povo Yaoshorul, e nunca mais deixarei profanar o Meu Santo Nome e as nações saberão que Eu Sou YAOHU UL, o Santo em Yaoshorul - KozoqiUl (Ez) 39:25; 36:23; 39:7.

Aproxima-se o tempo em que YAOHU UL mudará a língua do Seu povo para hebraico puro, para que invoquem o Seu Nome e o sirvam de comum acordo (ZafnaYAOHU 3:9)(Sf). E nosso desejo é que você saiba quão vital é o Nome, do ponto de vista do Criador.

O Título "Deus"

DEUS (Grego THEOS)

Convém destacar aqui que se apenas trocarmos o "D" pelo "Z" temos restaurado o nome do ídolo da mitologia grega, o qual serviu de origem a esta tão popular palavra: "o ídolo ZEUS".

Não se deve usar o título "Deus" para se referir ao Criador.

A origem da palavra "deus", é da palavra-raiz "zeus", o qual era o ídolo maioral da mitologia grega. Por tradição, os homens têm adotado um nome próprio de um ídolo para ser usado genericamente para seres sobrenaturais. É como usar o nome de um produto famoso para, genericamente, denominar todos os seus similares. Por exemplo, é como chamarmos todas as pastas de dentes de "Colgate", ou como a prática mostra, chamarmos todas as lâminas de barbear de "Gillette", ou gomas de mascar de "Chiclete", ou máquinas fotográficas de "Kodak", ou mesmo esponjas de aço de "Bombril". Isto é simplesmente adaptação permissiva, o que é muito perigoso, porque leva à idolatria, quer se perceba ou não. Assim, nós devemos bendizer, louvar, exaltar e adorar Seu Único e exclusivo Nome: "YAOHU" e não "zeus" ou "deus"! Não o que nós presunçosamente pensamos, mas o que nós dizemos com os nossos lábios! "... com a boca se confessa acerca da salvação".

Você entra em contato e realmente se comunica com quem você invoca. Numa ligação telefônica, que nos nossos dias ainda não se pode ver com quem se está falando, se você mandar chamar o Pedro em vez do João, quem virá atendê-lo será o Pedro e talvez você fale coisas para ele que jamais gostaria que ele soubesse, e o pior, deixará de falar com o João aquilo que era muito importante que ele ouvisse.

"Assegure-se de obedecer todas estas instruções, e lembre-se: nunca mencione o nome de um ídolo".

"Em tudo o que vos tenho dito, andai apercebidos. Do nome de ídolos nem fareis menção; nunca se ouça da vossa boca o nome deles". - Êxodo 23:13

Não é vergonha estar enganado; o que é vergonha é querer permanecer em trevas uma vez que a verdadeira Luz foi vista. Lembre-se, luz rejeitada conduzirá ao completo escurecimento da mente! Assim, comecemos a chamar nosso Criador como "YAOHU" e não mais com outros nomes ou títulos indevidos. "YAOHU", o Santo de Yaoshorul é o nosso verdadeiro Pai e Fonte de Vida!

Um nome representa todas as qualidades e total personalidade da pessoa por trás dele. Não se contente com substitutos baratos ou apelidos; refira-se e chame por Ele pelo Seu Único e exclusivo Nome verdadeiro: "YAOHU" (pronunciado IÁU-RRU, com a tônica na primeira sílaba)

Sobre este assunto Don Richardson em seu livro O FATOR MELQUISEDEQUE comenta:

"Compare Zeus com Theos e Deus na coluna seguinte:

Zeus

Theos (Usando a consoante teta)

Deus

Não é necessário um diploma de linguista para enxergar que os três vocábulos procedem de uma única raiz linguística.

- Os três começam com consoantes - Z, Teta, e D - que exigem que a ponta da língua esteja entre os dentes ou imediatamente por trás deles.

- Os três nomes destacam o que os linguistas chamam de "vogal e média, aberta" no segundo espaço.

- O terceiro espaço nos três vocábulos contêm as vogais "o" ou "u" "posteriormente fechadas".

- E os três vocábulos preenchem o quarto espaço com a sibilante "s".

- Em último lugar, os três compartilham de um sentido semelhante.

Infelismente, o mesmo Don Richardson, possuidor de exato conhecimento linguístico, por falta de maturidade espiritual defende a tese de que podemos nos relacionar com o Altíssimo chamado-O pelos nomes dos ídolos pagãos que os povos se relacionam. Isto é um erro gravíssimo. Um grande erro.

Sobre este mesmo assunto André Chouraqui comenta em sua tradução da Bíblia, apesar do mesmo não defender a Santificação do Nome e usar conscientemente do hebraico moderno o Título "Elohim" e outros títulos blásfemos:

"Os LXX (Septuaginta) designaram o "Deus" de Yaoshorul pelos termos "Theos" ou "Kyrios". Mas Elohims não é "Theos", o deus de Yaoshorul latino; ademais, à época, "Theos" designava apenas os "deuses do Olimpo". Os linguistas vêem em "Theos" uma longínqua derivação de "Zeus". Mas traduzindo assim, os LXX estavam sendo fiéis a seu propósito de introduzir a Bíblia às exigências da cultura grega. Graças a este impulso, há dois mil e trezentos anos os leitores da Bíblia nas línguas ocidentais vêm chamando o "Elohims" de Yaoshorul pelos nomes com os quais seus ancestrais denominavam seus ídolos. Obviamente, com o tempo, os nomes "Deus" ou "Senhor" encheram-se na cristandade, de significações bíblicas. Entretanto, parece claro que é preferível chamar o "Elohims" de Yaoshorul por seu nome, transcrito tal qual, a dizer o que eles significam".

O Dr. André Chouraqui foi muito feliz em sua citação. Porém, apesar do grande conhecimento destas verdades e da coragem de citar estas palavras em todos os seus escritos, ele continua usando largamente estes títulos espúrios e blásfemos para referir-se ao Altíssimo.

Outro comentário sobre este assunto é o da Dra. Neuza Itioka em seu livro "Os deuses da Umbanda" (pag 93):

"A Palavra "daimon", no grego, teve diferentes significados, em cada estágio histórico, desde os tempos de Homero até o tempo da Septuaginta e do Novo Testamento. Nos tempos de Homero, "daimon" significava "deuses", e era sinônimo de "theos", que significa "deus".

A Dra. Neuza Itioka também não defende a santificação do nome do Altíssimo e até mesmo utiliza alguns títulos blásfemos, mas nesta citação nos dá uma grande contribuição para a divulgação da verdade.

Note que as palavras, "theos", "josh", "zeus" e "deus", todas se referem ao mesmo ser espiritual invisível, no reino sobrenatural, independente de como escrevemos, uma vez que os sons produzidos chamam o mesmo ser espiritual ídolo (demônio, no caso). Se você, no meio da multidão chamar por Carmem, Karmen ou Carmen, ou ainda Karmem, independente de como esteja escrito, todas as mulheres com este nome atenderão, pois o SOM é o mesmo.

Recapitulando

Contrariando a ordem do Altíssimo dada a Merrushúa (Moisés) (Êxodo 3:15), de que o Santo Nome do Altíssimo, YAOHU, deveria ser comunicado e lembrado de geração a geração, os Yaohudim sem comunhão com Ele, passaram a considerar o ETERNO Nome do Altíssimo incomunicável, sagrado demais para ser pronunciado; e por isso e também para evitar de usá-lo indevidamente, o que os colocaria sob delito passível de punição com morte (Levítico 24:16), passaram a ler "Adonai" (no sentido de "Senhor") e até hoje os Yaohudim chamam o Altíssimo de "Ha-shem" ou "adonai", sempre que nas escrituras aparece o tetragrama sagrado: YHWH. Seguindo esse raciocínio, os copistas ou escribas, ao copiarem o Antigo Testamento da Septuaginta (Versão dos Setenta, em grego, que data do terceiro século antes do Messias), substituíram o Tetragrama Sagrado, YHWH, por "SENHOR" (KYRIOS, em grego), eliminando assim o Eterno Nome do Altíssimo das Escrituras. Por isso, a maior parte das traduções modernas grafa "SENHOR", em letras maiúsculas, toda vez que, no original hebraico aparece o Tetragrama Sagrado YHWH. Contudo, algumas versões famosas da Bíblia apresentam uma tradução mais literal, ainda que errada, do verdadeiro Nome do Altíssimo. A Bíblia de Jerusalém (católica), editada em 1981, grafa IAHWEH; a Versão Brasileira, de 1947, preferiu a forma JEHOVAH; outras traduções grafam JEOVÁ. Sem dúvida, os três exemplos acima não preferiram o termo "SENHOR", que, por ser um título blásfemo e pagão, e não um nome, não traduz a grandiosidade do Nome ETERNO e está totalmente incorreto. Para termos uma noção, leiamos na tradução João Ferreira de Almeida (Edição Revista e Atualizada no Brasil) (Êxodo 20:7 ).

"Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão".

Agora leiamos o mesmo versículo sem alterar o nome do Altíssimo, isto é, conforme consta nas Sagradas Escrituras hebraicas originais.

"Não tomarás o Nome YAOHU, teu UL, em vão".

Definitivamente não é a mesma coisa. "Senhor" não é nome, além de ser literalmente o significado de "Baal". YAOHU é o Nome, Santo e Eterno do Altíssimo. Devido ao excessivo zelo dos Yaohudim e também devido ao descuido dos copistas e tradutores, a maior parte das versões das Escrituras não trazem, hoje, o Nome do Altíssimo. Por isso, raramente é pronunciado e glorificado o Nome de YAOHU UL nas congregações. Alguns são ridicularizados e chamados de fanáticos por empregarem o Nome YAOHU para louvarem ao Altíssimo ou se referirem a Ele. Outros preferem evitar o Nome do Altíssimo por receio de serem confundidos com as "Testemunhas de Jeová". Puro preconceito. Dessa forma, muitos sequer conhecem o Nome do Altíssimo, que em lugar de ser santificado tornou-se desconhecido para a grande maioria.

Não existe nenhuma razão, nenhuma base bíblica para que o Eterno Nome do Altíssimo, YAOHU, não deva ser pronunciado. Ao contrário, todas as citações do Nome Sagrado nas Escrituras conduzem a reverenciar e glorificar o Nome do Criador. Em todo o Antigo Testamento o nome Eterno de YAOHU UL é mencionado quase 7.000 (sete mil) vezes. Não seria isto prova suficiente de que o Nome do Altíssimo não é impronunciável? Se assim fosse, YAOHU não teria permitido que Seus servos, os profetas, grafassem (e falassem) Seu Nome tantas vezes.

Embora, nos tempos primitivos, os patriarcas não tivessem conhecido o Nome do Altíssimo Soberano Criador, YAOHU UL, mas apenas Seus títulos honrosos, Soberano Altíssimo (UL-ULYON) e Soberano Todo-Poderoso (UL-SHUAODDAI), a partir do momento em que o próprio YAOHU UL tomou a iniciativa de revelá-lo ao Seu povo através de Moisés, afirmando que Seu Nome além de ETERNO deveria ser transmitido de geração a geração, nenhum mortal tem o direito de substituí-lo por outro nome ou por um mero título ou até mesmo de afirmar que sua pronúncia se perdeu no tempo e que devemos usar um mero título, que embora denote respeito e reverência, em nada revela a majestade e a glória do verdadeiro Nome do Criador: "YAOHU UL, Aquele que é, Aquele que será, Aquele que existe por Si próprio. A Ele seja toda honra, toda glória e o louvor para todo o sempre.

Não a nós YAOHU UL, não a nós, mas ao Teu Nome dá glória. (Tehilim 115:1)

PARA LER O PRÓXIMO CAPÍTULO CLIQUE ABAIXO...

   




HOME