Make your own free website on Tripod.com


APÓCRIFOS & RELIGIÃO    Free Counter
Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem. ( I te. 5: 19,20,21 - BIBLIA)
Xintoísmo


No Japão, a religião nacional é o Xintoísmo, na realidade o termo shintô (palavra Chinesa) corresponde no japonês a "Kami-no-mi-chi (caminho dos deuses). A origem do termo "shintô" é antiqüíssima, aparece em escritos de 550 d.C. na época do imperador Yômei.

De fato, o Xintoísmo só recebeu esse nome no século VI, quando os japoneses buscaram distinguir sua própria tradição de religiões estrangeiras com a qual entravam em contato, como o Budismo e o Taoísmo. Portanto, na sua origem, o Xintoísmo foi a religião de um povo primitivo que, acima de tudo, eram sensíveis às forças espirituais que permeavam o mundo de natureza no qual viviam. Como uma antiga crônica relata: em seu mundo, uma miríade de espíritos brilhavam como vaga-lumes e toda árvore e moita podia falar.

Numa oposição ao Budismo oriundo da China, os sacerdotes xintoístas pregavam que Amaterasu (divindade) era superior a Buda, os imperadores Japoneses apartir do século XIII d.C. interessados em restabelecer o primado da família imperial (mikado) afirmaram a ascendência divina da raça nipônica e apoiaram fortemente o movimento Xintoísta.

O politeísmo é a característica da religião Japonesa, a idéia de um ser supremo não corresponde à fé Xintoísta, o apego às necessidades imediatas e aos fenômenos naturais é o maior dogma. 

A natureza é vista como maravilhosa, povoada de espíritos bons e maus chamados Kami, que controlam os elementos, e interferem com as pessoas.

"Amatesu" (Kami do Sol) é cultuada como deidade superior (fonte da vida e alegria), sendo o monte Fuji o seu santuário natural.

O chefe tribal, autoridade suprema durante a vida, é consagrado como Kami ao morrer (culto ao imperador).

O após a morte não é parte significativa no Xintoísmo, o céu é reservado apenas ao imperador, seus parentes, guerreiros e servidores, sendo aos demais reservado um lugar escuro, infeliz e subterrâneo.

As famílias guardam em casa uma arca de madeira branca contendo tabuletas com o nome dos falecidos, diante da arca são colocadas ofertas em memória aos espíritos dos mortos.

Os membros são ensinados a oferecer um como de água e uma tigela de arroz cozido no kamidana [santuário doméstico Xintoísta] todas as manhãs antes do desjejum. Depois desse ato de adoração, é recolhida a tigela de arroz e comida dela. Fazem isso, acham que os deuses os protegem.

Os santuários são numerosos, vão desde simples construções até o famoso santuário "Ise" dedicado a "Amaterasu".

Os principais ritos Xintoístas são o "matsuri"(ofertas penduradas na árvore sagrada) e o "imi"( purificação pessoal) principalmente após o contato com pessoas mortas.

A oração, os amuletos e talismãs tem um sentido mágico, considerados como detentores de grande poder. Os ritos tem a finalidade de predispor a alma dos mortos com os vivos, a moral baseia-se na utilidade imediata, particular ou mútua, sendo os pecados leves limpos pela oblação ritual, e os graves punidos pela autoridade temporal.

A tradução politeísta inclui o culto à natureza, à fertilidade e a heróis, técnicas de adivinhação e xamanismo. Diferente do Budismo, Cristianismo e Islamismo, o Xintoísmo não tem um fundador e não desenvolveu escrituras sagradas, uma filosofia religiosa explícita nem um código moral específico. 

No Xintoísmo não há fé num deus absoluto que criou o Universo material separado do plano espiritual. Para o Xintoísmo, o espiritual e o material são inseparáveis - tudo é espiritual.

De acordo com a mitologia xintoísta, o Universo veio a existir quando as duas forças cósmicas de yin e yang separaram-se do caos primordial. Destas duas forças opositoras vieram os Cinco Elementos (ar, água, madeira, metal e terra), e estes agentes criaram as Dez Mil Coisas. O domínio de yang se tornou conhecido como o Céu e o domínio de yin, a Terra. Sob a Terra havia o Inferno, que por esta razão também é conhecido como a Prisão da Terra (JiGoku). Do céu, deuses (Kami, um Kanji também pronunciado Shin/Jin e Kan) apareceram. Desses deuses nasceram outros deuses, a natureza e os humanos.

Já foi contado um número de oito milhões de deuses, divididos em celestiais (ama-tsu kami) e terrenos (kuni-tsu kami).

Segundo a Nihon Shukyo Jiten (Enciclopédia de Religiões Japonesa), "a formação Xintoísta é quase idêntica à cultura étnica japonesa, e é uma cultura religiosa que jamais foi praticada à parte dessa sociedade étnica". Mas, as influências dos negócios e da cultura japonesa estão agora tão difundidas que deve interessar-nos saber que fatores religiosos moldam a história do Japão e a personalidade japonesa. O Xintoísmo afirme ter mais de 91.000.000 de membros no Japão.

E.Mucheroni - 15/03/2003



HOME
deus apocrifo apócrifos relação livros jose carpinteiro apocalipce semanas enoch enoque proto evangelho tiago melquisedeque didaqué infância tomé pedro clemente segundo salmo 151 cartas abgaro jesus oração manasses condenaçao epístola barnabé doutrina apóstolos epistola laodicenses atos joão historia universo livro adão eva outro idioma salmos salomão profecias nostradamus são nilo segredos fátima reflexões dizimo sobre águas significados inteligencia fé eucaristia teólogos dogmas pedra tempo fim pastores perfeição palavra manuscritos mar morto histórico rolos melquisedeque livros lugares fotos jerusalem antigos jericó cavernas qumran porta dourada muro lamentações 7 cidades apocalipse hinos midias animações kids4truth louvor biblia hebraico biblia português biblia narrada espanhol karaokê rádio stream sagrados biblia - português español al-corão bhagavad-gita grandes religiões cristianismo hinos louvor adorarei salmo mestre coração gradioso és tu senhor cruz luz brilhar salvador grandiosos grandioso asas judaismo hinduismo islamismo xintoísmo budismo primeiros cristãos apóstolos século i século ii perseguição romana martires império catacumbas roma concílios nicéia trento inquisição hereges cátaros hebraico idioma yhwh nome sagrado outros livros grande conflito arqueologia biblica testemunha ocular grandes achados prisma senaqueribe pedras clamam arca noé evidências êxodo sodoma gomorra formosa jerusalém aurora gloriosa esperança unção real abba pai acordai acredita adoração adorarei aleluia creio único coração salvador autoridade poder auxílio divino servos bem querer boa nova brilha santos cantemos júbilo ceia louvor precioso conhecer glória conversão cura fiel derrama paz ama guiar vida creio exultação grandes maravilhas infinito judá vales louvo redentor cruz maravilhoso redentor bom jerusalém temas lábios navegarei amigo caminho vitória canto nome precioso sangue rei reina senhor poder pentecostal amar sofreu vive paz salvar glória céu véu viver redentor onipotente rocha eterna santo saudai nome exaltado sempre fiéis poder graça tema amor tentado trono branco fiel és soberano bem grande amigo milagre senhor real vaso novo pródigo viva vivifica éfeso esmirna pérgamo tiatira sardes filadélfia laodicéia monte oliveiras cedrom templo david lamentações torah espírito